É oficial: Cientistas dizem que entramos na 6ª extinção em massa - Universidade Ufo Brasileira

ULTIMAS

A Universidade ufo Brasil é um site responsável em orientar As Pessoas os casos ufologicos e misterios

ANUNCIOS

terça-feira, 23 de junho de 2015

É oficial: Cientistas dizem que entramos na 6ª extinção em massa


extinção em massa

Os biólogos usaram novas estimativas conservadoras para provar que espécies de vertebrados na Terra estão desaparecendo mais rápido do que em qualquer momento desde a extinção dos dinossauros, e os humanos estão agora em risco de ser exterminados.
“[O estudo] mostra que estamos agora entrando no sexto grande evento de extinção em massa”, um dos pesquisadores, Paul Ehrlich, da Universidade de Stanford, nos EUA, disse em um comunicado de imprensa. Pior ainda, a pesquisa mostra que o que acionou o evento fomos nós mesmos.
Embora muitos biólogos há muito tempo acreditavam que a Terra estava no meio de um grande evento de extinção, os céticos argumentam que as estimativas estavam exagerando no quão rápido as espécies estavam sendo eliminadas como resultado de dados inconsistentes.
Os cientistas descobriram que estamos em um grande evento de extinção comparando a taxa de extinção atual com a taxa de extinção de fundo – a taxa na qual você esperaria que espécies desaparecessem normalmente.
Ao olhar apenas para dados bem-verificados e registros fósseis de vertebrados – o nosso grupo mais bem estudado de organismos – a nova pesquisa veio com uma taxa de extinção de fundo que é duas vezes maior que as estimativas anteriores.
Mas, mesmo com este ritmo de fundo e as estimativas de perda de espécies mais conservadoras, os pesquisadores descobriram que os animais ainda estão sendo dizimados cerca de 15 a 100 vezes mais rápido do que deveriam – na verdade, a taxa de perda de espécies não tem estado tão alta desde o desaparecimento dos dinossauros 65 milhões de anos.
“Em vez de 9 extinções de vertebrados que deveriam acontecer naturalmente desde 1900, a nossa estimativa conservadora acrescenta mais de 468 extinções, distribuídas entre mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes,” Jan Zalasiewizc escreve para o The Guardian.
A este ritmo, a equipe estima que cerca de 41% de todas as espécies de anfíbios e 26% de todos os mamíferos serão eliminados.
Essa perda de biodiversidade dramática também irá colocar seres humanos em perigo em apenas três gerações, a equipe estima, especialmente se também perdemos polinizadores cruciais, como as abelhas.
“Se isso continuar, a vida levaria muitos milhões de anos para se recuperar, e nossa própria espécie correria risco sério”, disse um dos pesquisadores Gerardo Ceballos, da Universidad Autónoma do México.
“Estamos serrando o galho que estamos sentados”, acrescentou Ehrlich.
Os pesquisadores também descobriram que o principal culpado por esta extinção em massa não é um grande evento, como erupções vulcânicas ou um ataque de meteoros. Ao contrário, é a atividade humana. Os pesquisadores descobriram que as 4 atividades seguintes foram particularmente prejudiciais:
  • Limpeza de terras para a agricultura e exploração madeireira;
  • Introdução de espécies invasoras;
  • Emissões de carbono que causam as alterações climáticas e a acidificação dos oceanos;
  • Toxinas que alteram e envenenam ecossistemas.
“Ressaltamos que nossos cálculos muito provavelmente subestimam a gravidade da crise de extinção, porque o nosso objetivo era colocar um limite inferior realista sobre o impacto da humanidade sobre a biodiversidade”, escrevem os pesquisadores na revista Science Advances, onde seus resultados foram publicados.
Mas nem tudo é má notícia – os pesquisadores observaram que ainda podemos evitar tais perdas íngremes na biodiversidade através de ações intensas de conservação. “Mas essa janela de oportunidade está se fechando rapidamente”, concluem.
Saiba mais sobre a pesquisa no vídeo da Universidade de Stanford abaixo (em inglês)

Fonte: http://misteriosdomundo.org/e-oficial-cientistas-dizem-que-entramos-na-6a-extincao-em-massa/
Postar um comentário
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial