domingo, 15 de março de 2015

Universidade Ufo Brasileira , Vida como não conhecemos, pode existir em lua de Saturno , Astronomia ,
Vida como não conhecemos, pode existir em lua de Saturno 4 5 1

Vida como não conhecemos, pode existir em lua de Saturno

lua de Saturno
Representação de um azotossoma, com 9 nanômetros - aproximadamente do tamanho de um vírus - com um pedaço de membrana cortada para mostrar o interior oco.
(Imagem: James Stevenson)

Vidas desconhecidas


   "A vida como nós a conhecemos" é o jargão mais utilizado quando se trata de procurar sinais de vida em exoplanetas e exoluas - afinal, será mais fácil detectar algo similar ao que já conhecemos, ainda que não conheçamos todas as formas de vida do nosso próprio planeta.

   De qualquer forma, os astrônomos têm procurado por vida extraterrestre naquilo que é conhecido como zona habitável das estrelas, a estreita faixa de temperatura em torno de cada estrela na qual pode existir água líquida.

   Mas, e se as células de alguma forma de vida extraterrestre não forem baseadas em água? Digamos, talvez, que fosse uma vida baseada em metano, que tem um ponto de congelamento muito menor?

   Mais especificamente, apenas para dirigir melhor os esforços, e se fosse uma vida nativa de Titã, a lua gigante de Saturno?

   Titã é coberta por mares não de água, mas de metano líquido. Assim, a lua poderia abrigar células à base de metano, que não dependam de oxigênio para metabolizar, reproduzir e fazer tudo que a vida na Terra faz - essencialmente, uma vida como nós não conhecemos.

Projetando uma nova vida


   Em 1962, o escritor de ficção científica Isaac Asimov escreveu sobre um conceito de vida não baseada em água, intitulado Not as We Know It (Não como a conhecemos, em tradução literal).

   James Stevenson e seus colegas da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, inspiraram-se em Asimov para verificar a possibilidade da existência real de uma membrana celular formada por pequenas moléculas orgânicas que fosse capaz de funcionar nas temperaturas muito abaixo de zero típicas do metano líquido em Titã.

   "Nós não somos biólogos e nós não somos astrônomos, mas tínhamos as ferramentas certas," disse a professora Paulette Clancy, que é química. "Talvez tenha ajudado, porque não começamos com qualquer preconceito sobre o que deve haver em uma membrana e o que não deve. Nós simplesmente trabalhamos com os compostos que sabíamos estar lá [em Titã] e nos perguntamos: 'Se esta fosse sua paleta, o que você poderia fazer com ela?'".

   Na Terra, a vida é baseada em uma membrana fosfolipídica de duas camadas, a vesícula permeável, forte e à base de água que abriga a matéria orgânica de cada célula - uma vesícula feita com essa membrana é chamada de lipossoma.

lua de Saturno
O elemento-chave dessa forma projetada de vida é a acrilonitrila, um composto venenoso para o ser humano, mas usado para fabricar resinas e plásticos. (Imagem: James Stevenson et al. - 10.1126/sciadv.1400067)


Azotossoma


   A equipe projetou então seu azotossoma.

   "Azoto" é a palavra francesa para o nitrogênio. Lipossoma vem do grego "lipos" (lipídio, ou gordura) e "soma" (corpo). Por analogia, "azotossoma" significa "corpo de nitrogênio".

   O azotossoma é feito de moléculas de nitrogênio, carbono e hidrogênio que se sabe existirem nos mares criogênicos de Titã, e revelou a mesma estabilidade e flexibilidade do lipossoma terrestre.

   O elemento-chave dessa forma projetada de vida é a acrilonitrila, um composto de metano estável, resistente à decomposição e com uma flexibilidade semelhante à das membranas fosfolipídicas da Terra. A acrilonitrila, que está presente na atmosfera de Titã, é um composto venenoso e incolor utilizado na fabricação de fibras acrílicas, resinas e termoplásticos.

   A equipe afirma que o próximo passo é tentar demonstrar como essas células se comportariam no ambiente de metano.

   Ou, quem sabe, dotar o submarino robótico que a NASA está pensando em enviar à lua de Saturno para procurar sinais dessa "vida como nós já imaginamos".




Reações:
Comentários
0 Comentários

0 comentários: